Reclamar resolve?

Na minha experiência reclamar só resolve quando agimos, tomamos atitudes para obter resultados.

Reclamar só atrai coisa ruim, pois só intensifica esse ciclo de sofrimento.

Quando reclamamos de tudo, atraímos aborrecimentos, agressões e transtornos de todos os lados.

Entramos em um ciclo desgastante e infeliz.

Por que criamos o habito de reclamar?

  • Queremos expressar nossa frustração.
  • Queremos chamar atenção do outro.
  • Queremos participar de um grupo.
  • Queremos expressar nossa revolta.

Provavelmente.

 O que não percebemos com isso?

  • Que esse habito desgasta, aumenta nossa insatisfação.
  • Que perdemos energia.
  • Que as pessoas nos evitam.
  • Que somos taxados de chatos .
  • Que ficamos de mal com a vida.
  • Que perdemos o discernimento.
  • Que deixamos  as preocupações e o medo nos conduzirem.

Quando vem a necessidade de mudar?

  • Quando percebemos  que só reclamar traz desgaste.
  • Quando nos sentimos sozinhos e sobrecarregados.
  • Quando não aguentamos mais falar sem  ter resultado.
  • Quando percebemos  que estamos sendo omissos.

O que precisamos para mudar?

  • Procurar  ajuda para poder ver onde estamos falhamos na nossa comunicação.
  • Procurar soluções.
  • Tomar atitude ao invés ao invés de reclamar.
  • Evitar pessoas negativas isso contagia.
  • Aceitarmos a realidade como ela é, e procurar uma maneira de se beneficiar com ela.
  • Fluir nesse aprendizado procurando ver o lado positivo.

Acho que todos nós passamos por isso em algum lugar da nossa estória. Faz parte do nosso processo de aprendizado e amadurecimento. Isso enriquece nossa experiência e nos torna cada vez mais conscientes das nossas fraquezas e da nossa força, das nossas qualidades e poder de superar não importa quanto foi difícil e dolorido foi passar por esse processo de despertar.

A alma precisa do conflito pra poder despertar. Estamos nesse planeta onde a dualidade mora. Aprendendo a ver os dois lados da moeda,  o lado positivo e negativo de cada lição. E cabe a nós escolher o que vamos guardar e aprender com cada experiência.

Por que muitas vezes precisamos perder para perceber o valor que aquilo tem?

O cotidiano, a rotina, o stress muitas vezes nos impede de perceber quantas bênçãos que recebemos todos os momentos?
O quanto podemos celebrar a vida.
Ele nos coloca no piloto automático e nos tira do aqui e agora com uma enxurrada de pensamentos, obrigações, preocupações.
O stress, nos impede de curtir coisas maravilhosas no nosso dia a dia.
Quando percebemos quando as coisas são superficiais?
E só percebemos quantas , quando a doença aparece, perdemos um cargo importante, um emprego. “Eu era feliz e não sabia”

A Crise vem para nos despertar. Para nos tirar da zona de conforto onde o medo, a necessidade de controlar nos enraíza. Ela tira a venda que nos impede de ver o que é realmente significativo nas nossas vidas, pois ela desliga o piloto automático, tira tudo que é superficial e nos coloca no momento presente.  Pois a dor de ficar é maior do que a dor da mudança.

Varias técnicas podem ser usadas para fluir nesse despertar. Respirar profundamente por 10 minutos, segurando um dos pulsos é uma técnica muito eficiente para esses momentos onde o desespero toma conta do nosso ser.

A respiração é o sopro de Deus que nos deu a vida. O ar é invisível e ele nos conecta com o Criador e com a Criação. Sem ar não podemos viver. E no dia a dia nem percebemos que respiramos, e como esta nossa respiração.  Se você esta estressado, de mal com a vida, com certeza sua respiração esta descompassada, curta, pois você esta contra o fluxo da vida. Quando você esta de bem com a vida sua respiração se torna mais profunda, seu corpo fica leva e dá vontade de cantar, dançar e celebrar sem razão aparente.

O essencial é invisível aos olhos, precisamos estar conscientes para percebê-lo. E para estarmos consciente, precisamos estar no presente. O passado já foi não podemos muda-lo. O futuro depende desse presente, e das nossas escolhas agora.  Para fazer essas escolhas precisamos analisar o passado, aprender com os erros sem autopunição que é um sentimento que não muda a situação, só traz desgaste e baixa nossa autoestima.

Analise suas emoções, suas atitudes. Perceba se não esta tendendo a reagir? Pense e antes de fazer. Questione-se:

Se fizer isso vai melhorar minha vida? Vai melhorar a vida de alguém?

Se não for, deixe ir e mude de sintonia para poder acrescentar algo na sua vida e na do outro.  Com isso você estará agindo e evitando uma serie de prejuízos e sofrimento trazidos pela reatividade.

Quanta dor pode nos trazer a reatividade

Percebeu quanto prejuízo, dor e arrependimento a reatividade nas nossas ações trazem?

Quando a emoção toma conta, ela nos cega. Desperta o lado sombrio, ou revoltante da situação. Na hora cheia de uma verdade distorcida, reagimos, sem pensar nas consequências, trazendo tanto arrependimento.

Depois percebemos que se tivéssemos analisado melhor, com a cabeça fria, poderíamos ter ajudado mais e causado menos sofrimento.

Quantas vezes atrapalhamos ou prejudicamos alguém com nossa intenção de ajudar? Criticamos as fraquezas do outro, como forma de camuflar sua baixa autoestima, pois não possuímos essa fraqueza, mas esquecemos de que temos várias outras.

Já deixamos de ajudar por causa de uma crença boba, sem pensar que isso ajudaria o outro e não nos custaria nada.

Quantos arrependimentos despertados pelo orgulho, pela ignorância, pela reatividade, pela dor, pelo medo, tivemos  nesse aprendizado que a vida nos traz.

Quantos erros, sofrimentos foram necessários pra despertar nossa consciência, nosso amor e nosso perdão.

Acho que todos nós passamos por isso ciclicamente. Geralmente são as pessoas mais queridas, que despertam essas emoções e sentimentos em nós. O nosso amor por elas, desenvolve a nossa tolerância, nossa compreensão. Por que quando amamos conseguimos ver a dor e a beleza no outro.

E viva o amor que dissolve toda resistência e nos abre pra vida, pra alegria, para o perdão.

O amor une todos nós, pois ele inclui todos com todas as nossas diferenças.

Você quer serenar?

Tempo modernos os de hoje, onde a sabedoria, o respeito, e o discernimento são ignorados.  Parece que estamos vivendo do lado avesso.

Toda informação vem mastigada e direcionada para você assimilar daquela maneira e tirar-nos do presente. Confunde nosso poder de analisar e selecionar o que realmente é bom para nós nesse momento.

Agimos como robôs seguindo as regras ditadas pelas revistas, TV, novelas.

Anestesiados pela mídia, nem percebemos o que nosso corpo precisa.

Onde esta nossos instintos, nossa intuição, nossa sabedoria interior?

O que estamos sentindo nesse momento?

Temos fome de que?

Fazendo tudo no automático, sem  perceber o que estamos fazendo, comprando por impulso, sem saber o que é realmente importante pra nós.

Tudo isso por quê?

·         Por ignorância?

·         Stress?

·         Sobrecarga de afazeres?

·         Temos medo de sair da nossa zona de conforto?

·          A exaustão que nos cega?

Vamos precisar atrair um acidente, uma doença, um choque para despertar?

Antoine de Saint-Exupéry, no Livro O pequeno Príncipe disse: O essencial é invisível aos olhos, só se vê bem com o coração.

Quando vamos começar a ouvir nosso coração? Como fazemos isso?

·         Estando no momento presente.

·         Respirando serenamente.

·         A respiração comanda o tempo. Se você estiver com pressa, respire calmamente e ande devagar. Isso coloca você de novo no fluxo da vida.

Ouvir o coração é mais simples do que você imagina.

Tudo que você precisa é segurar seu pulso e ouvir as batidas do seu coração, respirando calmamente.

Se estiver ansioso, agitado, inspire profundamente, segure a respiração por alguns segundo e expire (imaginando que junto com o ar, você esta soltando toda tensão, ansiedade, e preocupações).

Faça isso quantas vezes forem necessárias para serenar.

Então, segure um dos pulsos, pense em tudo de bom que você quer pra esse momento, respire profundamente, quando expirar solte o pulso.

Você vai sentir-se bem melhor após isso.

Florais indicados para isso são: Callistemon, Erva de Santa Maria, Clerodendro Azul, Caliandra, Bom dia, Espada de São Jorge.

 

Separação e seus dramas de controle

Todos nós nesse planeta temos a necessidade de nos relacionarmos e de conviver. Formamos vínculos para compartilhar nossas experiências dentro de um grupo, cultura ou sociedade.

Qual é a necessidade básica de todo ser humano?

Amor, acolhimento, afeto, que são fundamentais para nossa sobrevivência. Esses sentimentos despertam no grupo e no outro, sentimentos de segurança, respeito, admiração, apoio mútuo e coragem. O amor é a fonte que nos une trazendo alegria, leveza, celebração, paz e serenidade porque sentimos a Unidade e a Luz em nós e nos outros. O amor cura.

O que nos separa dessa sintonia?

O medo, que gera separação, desperta insegurança, inveja, culpa, orgulho, covardia, a necessidade de controlar o outro para sentir o nosso poder e de rebaixar o outro para sentir-se superior.

E porque ele traz tudo isso?

Porque quando nos sentimos sozinhos, separados, o desamparo da escuridão aparece, nos cega e não percebemos que fazemos parte do Todo, da Luz. Fechados em nós mesmos, acontece o isolamento que alimenta a separação. Nesse estado só enxergamos a nossa sombra, isso se torna uma ameaça constante e nosso ego começa a reinar.

Ego se alimenta de dramas, que geram medo, e o ciclo de sofrimento se estabelece.

Pensamos com a cabeça, impregnamos com medo os nossos pensamentos, palavras e ações para fugir desse pesadelo. Isso é como se debater na areia movediça, gera um ciclo de destruição sutil e não percebemos a sutileza que fica escondida no sofrimento porque estamos sintonizados com essa frequência de dor, rejeição, comparação, alienação inveja, competição, na tentativa de ver nossa luz.

E como podemos reverter esse processo?

Quando paramos de olhar para o que o outro tem ou é, e olhamos para dentro de nós, procurando o que temos de melhor e valioso, pois somos únicos no planeta.

Reconhecendo nossos valores, assumindo responsabilidade e o nosso poder pessoal nos conectamos com o sagrado dentro de nós.

O que você precisa para melhorar seus relacionamentos?

1 – Recuperar o frescor e leveza que, com o tempo, se tornou irritação e reatividade.

Só tem uma pessoa responsável por esse “tanque de amor” e que sabe como enchê-lo  é você. Para isso é necessário saber o que te traz felicidade, o que te traz preenchimento. Fontes de amor podem ser encontradas fora, com família, amigos, trabalho, lazer, viagens; dentro, através de atividades criativas, lúdicas (pintura, danças, tomar sol, etc.). Apenas você sabe o que te faz feliz. Quando você preenche esse “tanque de amor”, o frescor, a leveza e a tolerância vêm por acréscimo.

2 – Esvaziar esse tanque, que com o tempo, se tornou cheio de dramas de controle e de críticas.

Limpando seu reservatório de mágoas, tristezas, frustrações e sofrimentos do passado, no presente, exercitando o perdão e o desapego. O que aconteceu, aconteceu, você não pode mudar isso, mas pode aprender com isso e começar do zero, resolvendo mágoas e frustrações, no momento que elas acontecem. Uma boa técnica para isso é o Ho’oponopono.

Aceitando a responsabilidade de 50%, pois você permitiu consciente ou inconscientemente que isso acontecesse, também lhe dá 50% de oportunidade de mudar esse tipo de situação no futuro, mudando suas atitudes.

3 – Recuperar a vontade de ficar junto que, com o tempo, se torna um drama de controle, de cobrança, de invasão e sobrecarga.

A convivência constante desgasta os relacionamentos porque temos necessidades e tolerâncias em níveis diferentes. O que é importante para você pode não ser importante para o outro. Isso cria um ciclo de insatisfação, críticas, cobranças e sobrecarga. Quando moramos em espaços separados cada um assume responsabilidade e trata das suas necessidades, excluindo inconscientemente o que não é tolerado nesse espaço. Quando compartilhamos o espaço é necessário que a tolerância, o respeito e a sabedoria permeiem as nossas escolhas para incluir o outro com suas próprias necessidades e preferências.  Dividir espaço exige mestria, negociar as intolerâncias com comunicação amorosa é fundamental.

Quando convivemos juntos durante um tempo prolongado surge uma batalha de cobranças, críticas e lamentações. Sentimos mais falta de nós mesmos do que do outro. Preserve um tempo para dar atenção a si mesmo, se preencha de amor próprio!

4– Recuperar os pensamentos, emoções e ações bondosas se tornam irritação, mágoa, frustração e você não consegue mais ver o seu amor com beleza, só vê o defeito e a carência.

Isso acontece quando projetamos no outro a obrigação de nos preencher como prova de amor. Só vemos o que o outro não fez e o quanto estamos infelizes com isso. Deixamos de nos amar e queremos que o outro, nos dê aquilo que não damos a nós mesmo Seu companheiro  não pode ser a sua única fonte de amor, ele é um ser humano normal que também tem seus problemas, seus altos e baixos, e não tem a obrigação de viver para você o tempo todo. Quando assumimos responsabilidade pelas nossas escolhas, cuidamos das nossas necessidades e de nós mesmos de forma flexível e amorosa, recuperamos nosso poder pessoal. Cuidar de si mesmo é fundamental, ter um tempo para si e respeitar que o outro também o tenha é essencial. Buscando a nossa felicidade também em momentos de solitude, podemos acolher o outro, vendo suas qualidades e aceitando suas fraquezas.

A mestria de cuidar dos relacionamentos esta em amar e cuidar de si mesmo, Quando você ascende sua luz, ilumina tudo a sua volta. Cante, dance, ria e preencha o seu ser dessa felicidade, isso é luz!

 

 

Como despertar alegria de novo pra sua vida

Você já sentiu a leveza, a alegria do amor?

Você já esteve apaixonado, e isso coloriu o seu mundo, tudo ficou mais bonito. As pessoas que te incomodavam antes, não conseguem te afetar mais.

Você conseguiu ser beleza em tudo a sua volta, pois sua vibração aumentou, quando essa alegria vem e permeia tudo a sua volta é por que você esta sentindo, conectada com o amor divino no seu coração.

Acordou cantando, com vontade de dançar sem motivo aparente?

Não importa se foi uma pessoa, uma conquista ou um prazer que despertou isso em nós. Esse sentimento, esse prazer abriu uma porta de felicidade e despertou um novo olhar para o mundo e situações a nossa volta. Acendeu nossa luz e iluminou tudo a sua volta, contagiando com amor todo nosso Universo.

Essa felicidade aumentou nossa vibração e nessa frequência atraímos o melhor pra nós, pois a alegria nos conecta com Deus, e ai entramos nesse ciclo de realização. Onde atraímos as melhor, pessoas mais cooperativas, oportunidades, soluções para os desafios.

A alegria e amor dissipam as preocupações, os problemas, medo magoa, nos conecta com Deus e abrimos a mão do controle, do medo, de querer ter razão. Queremos ser felizes e ficar nessa vibração e tudo começa a fluir.

E quando perdemos isso?

Quando achamos que essa alegria vem de fora, vem da pessoa que despertou o amor em nós. Vem da conquista. Eles só foram o instrumento que nos ajudou a elevar a frequência. Mas foi o estar de bem com a vida que atraiu esse instrumento, essa oportunidade. E quando percebemos isso, tomamos as rédeas de sua vida e não nos deixamos levar por inseguranças, ciúmes, competição, orgulho, duvida e medo.

Se nos desafios conectarmos com Deus através da gratidão, conseguiremos elevar nossa frequência e a leveza vem dissipando as tensões, e o medo pra dar lugar a fé, e atrair novos instrumentos, soluções e acender nossa luz.

Manter sua frequência alta só depende de você. A mudança através do amor, do coração vem sempre de dentro pra fora.  A mudança de fora pra dentro sempre vem acompanhada de resistência, sofrimento, tensão, medo, pois através dele abrimos mão de querer que as coisas sejam do jeito que queríamos que fossem e vemos como ela é, por mais dura que sejam.  Ai começa o processo da mudança que pode trazer bênçãos maravilhosas na nossa vida, quando analisamos quais são nossas melhores opções e escolhas conscientes baseadas na situação real. Para isso, precisamos acreditar que:

O melhor nos acontece a cada momento, mesmo que não vejamos o beneficio disso nesse momento.

Você ajuda e só recebe ingratidão

Durante muito tempo fui “a redentora, salvadora dos fracos e oprimidos” e, na minha ânsia de salvar o outro, muitas vezes impedi o despertar dele e acabei piorando a situação.

Geralmente isso nos acontece com os outros quando:

· Não perguntamos se eles querem ajuda.

· Como podemos ajudá-los?

· Entramos no drama da vítima e somos vampirizados.

· Incorporamos o arquétipo do retentor e somos manipulados.

· Entramos no drama do mártir e somos controlados pela culpa.

Quanta dor a onipotência, a soberba, a ignorância, o ser “dona da verdade” nos trazem.

Precisamos perceber que essas crenças não trazem benefício algum para ninguém e só atropelam os acontecimentos.

Você já parou pra pensar, que podemos atrair essas situações, como uma necessidade ou ânsia de mostrar pra nós mesmo o quanto somos eficientes?

De provar pra nós mesmos o quanto somos fortes? Ou mesmo por uma necessidade de servir ou resgatar o outro, como forma de camuflar nossa baixa autoestima ou fraquezas?

E que tudo isso alimenta a nossa necessidade de sofrimento e nossa reatividade, pois quando sofremos reagimos, e isso cria e perpetua esse ciclo de dor.

Você já pensou que a necessidade “salvar” o outro, o excesso de controle, nos impede de curtir o momento presente, de observar, fluir no processo, de celebrar a vida e todas as bençãos que ela traz?

Como é desesperador ver nossas falhas!

Ferimos o outro por pura ignorância, pois não tínhamos consciência do estrago que isso poderia causar.

A cura vem do perdão, e com ele vem o alento.  Perdoando a si, pedindo perdão ao outro e envolvendo toda a situação e a todos com amor incondicional.

Pois o amor cura qualquer ferida, essa é a benção do Criador!

 

Você sabe ser um bom chefe ou um bom funcionário?

Você sabe ser um bom chefe?

Quando seu funcionário só te traz desgaste, frustração, você para pra analisar e a sua comunicação foi clara pra ele?

  • Se ele tinha capacidade de executar o que você pediu.
  • Perguntou a ele, onde esta a dificuldade?
  • Se ele esta com dificuldades na vida pessoal e isso esta impedindo ele de dar o melhor dele nesse momento.
  • Estabeleceu as prioridades?
  • Fez um protocolo para ele seguir quando existir uma falta de organização?
  • Ensinou a ele a  fazer e  como você quer a tarefa?
  • Percebeu as qualidades dele e deu a ele tarefas onde ele possa usar esses dons?
  • Deu abertura para tirar duvidas e pedir ajuda quando estiver sobrecarregado.
  • Observou se ele esta realmente com dificuldade ou não quer fazer.

Você sabe ser um bom funcionário?

Quando seu chefe só reclama, te enche de serviço e te cobra.

  • Você para analisar se você entendeu o que ele disse.
  • Se não entendeu, repete as ordens ou tarefa com a finalidade de esclarecer se entendeu isso da maneira correta.
  • O que você me pediu foi isso…? O que você quer seja feito é isso? Dessa maneira? Ouve e anota as instruções?
  • Tem um caderninho onde anota tudo que faz quais as prioridades, o que foi resolvido no dia, o que ficou a ser feito e por que não foi feito.
  • Organiza seu dia, sua semana, fazendo as tarefas mais simples e as prioridades.
  • Mostra a ele suas dificuldades e pedi orientação e ajuda para resolvê-las.
  • Mostra suas habilidades quando a oportunidade aparece.
  • Procura dar o seu melhor, ajudando quando necessário.
  • Observa se é  ele que  realmente não colabora, não te escuta, ignora suas dificuldades, só cobra, sem dar apoio ou propor solução.

Não importa qual o papel que você desempenha chefe ou funcionário, se depois dessa analise você constatar que não tem boa vontade para aprender, para colaborar, para se comunicar pra fazer o que precisa ser feito, o que você faz?

  • Culpar o outro
  • Demitir a pessoa

Deixar rolar, não vai resolver seu problema.

Você já pensou por que atraiu essa situação?

O que você tem que aprender com esse desafio?

Uma técnica bastante eficiente nesse caso. Consiste no poder do perdão. Muito fácil e muito eficiente. Mentalmente diga muitas:

  • Eu te peço perdão, eu te perdoo.
  • Sinto muito. Eu te amo.

Essa técnica chama Ho’oponopono.

Procure ajuda para você a identificar padrões e crenças que atraíram esse desgaste para você.  Tome consciência deles, para perceber o aprendizado que essa experiência pode despertar em você,

É gratificante, experimente!

Ser esperto ou ser enganado, os dois lados da mesma moeda

Por que permitimos que tirem vantagem de nós?

Você já pensou o que é tirar vantagem dos outros?

Ambos são uma armadilha.

Faça uma retrospectiva. Pare e pense!

 O que permite a sensação de estar sendo enganado?

  • A necessidade de agradar sempre para se sentir aceito.
  • Se sentir parte do grupo?
  • Medo ser rejeitado.
  • A dificuldade de falar não.

E quando enganamos alguém o que realmente estamos querendo provar?

  • Que somos espertos.
  • Que somos melhores.
  • Que somos capazes.

Perceba as desvantagens que essa moeda nos traz?

  • Nos afasta das pessoas.
  • Cria inimigos.
  • Alimenta a baixa autoestima.

Pare e pense nisso. Esta na hora de mudar.

Percebeu o quanto essa moeda é perigosa?

Quanta separação e dor ela pode criar.

Consegue identificar-se com algumas dessas situações?

A falta ou excesso de esperteza camufla a nossa capacidade de negociação.

Não importa qual seja a situação, o resultado sempre tem que ser benéfico para todos. Medite sobre isso.